Câncer de mama. Sintomas. Como evitar!

O câncer de mama é uma doença maligna que se desenvolve nas células da mama. É uma das principais causas de morte entre as mulheres no mundo. A detecção precoce é crucial para aumentar as chances de cura e diminuir as chances de metástase.

Detecção precoce

Existem várias maneiras de detectar precocemente o câncer de mama. A autoexame das mamas é uma maneira de detectar o câncer de mama em estágios iniciais. É recomendado que as mulheres de 20 anos ou mais realizem autoexames das mamas todo mês, logo após o período menstrual. Durante o autoexame, as mulheres devem procurar por nódulos ou massas palpáveis, mudanças na textura da pele ou na aparência dos mamilos, e secreção anormal.

O exame clínico das mamas, também conhecido como mamografia, é outra forma eficaz de detectar precocemente o câncer de mama. A mamografia é uma radiografia das mamas que pode detectar tumores que não são palpáveis. É recomendado que as mulheres a partir de 50 anos de idade realizem mamografias anuais ou de acordo com as recomendações do seu médico.

Outra técnica de imagem utilizada para detectar precocemente o câncer de mama é a ressonância magnética (MRI). A ressonância magnética é mais sensível do que a mamografia e é frequentemente usada como um complemento ao exame clínico das mamas.

O exame de sangue para detectar marcadores tumorais, como o antígeno específico da mama (CA 15-3) e o antígeno específico da mama humano (CEA), também pode ser usado como uma ferramenta de detecção precoce.

É importante destacar que essas técnicas de detecção precoce não são infalíveis e uma recomendação de biópsia deve ser feita se houver suspeita de câncer de mama. É importante também que as mulheres tenham acesso a exames de rotina, consultas de rastreamento e acompanhamento médico regular. A detecção precoce é crucial para aumentar as chances de cura e diminuir as chances de metástase.

LEIA TAMBÉM:  TPM (SÍNDROME DA TENSÃO PRÉ-MENSTRUAL) Como aliviar os sintomas

Prevenção

A prevenção do câncer de mama é uma combinação de fatores, incluindo modificações de estilo de vida e detecção precoce.

Uma das maneiras de prevenir o câncer de mama é através de modificações de estilo de vida. Isso inclui manter um peso saudável, evitando o consumo excessivo de álcool, praticando atividade física regularmente e evitando o tabagismo. Também é importante evitar a exposição excessiva à radiação ionizante, incluindo a exposição à radiação dos raios-X.

Outra forma de prevenir o câncer de mama é através da terapia hormonal. A terapia hormonal com estrogênio e progestina é usada para tratar os sintomas da menopausa, mas pode aumentar o risco de câncer de mama. Portanto, é importante discutir os riscos e benefícios da terapia hormonal com o seu médico antes de iniciá-la.

A detecção precoce é outra forma importante de prevenir o câncer de mama. Isso inclui o autoexame das mamas, exame clínico das mamas, mamografia, ressonância magnética e exames de sangue para detectar marcadores tumorais. Esses exames devem ser realizados regularmente de acordo com as recomendações do seu médico.

Além disso, existem técnicas cirúrgicas para prevenir o câncer de mama em mulheres de alto risco, como a profilaxia cirúrgica, também conhecida como retirada preventiva das mamas, essa técnica é indicada para pacientes com histórico familiar de câncer de mama e mutações genéticas conhecidas como BRCA1 e BRCA2.

Em resumo, a prevenção do câncer de mama inclui modificações de estilo de vida, terapia hormonal, detecção precoce e técnicas cirúrgicas para pacientes de alto risco. É importante trabalhar com seu médico para determinar o melhor plano de prevenção para suas necessidades individuais.

Sinais de alarme!

O câncer de mama é uma doença maligna que afeta principalmente as mulheres, embora também possa ocorrer em homens. Os principais sintomas incluem a presença de nódulos ou tumores na mama, alterações na pele, como vermelhidão ou endurecimento, e mudanças no tamanho ou forma da mama. Além disso, outros sintomas comuns incluem dor ou desconforto na mama ou no aréola, secreção pelo mamilo e inchaço ou inchaço no braço ou axila.

LEIA TAMBÉM:  Vitamina D. Benefícios. Como suplementar!

O exame físico é fundamental para detectar esses sintomas, e é recomendado que as mulheres realizem autoexames regulares para detectar qualquer anormalidade na mama. Além disso, é importante realizar mamografias periódicas para detectar o câncer de mama em estágios iniciais, quando a chance de cura é maior.

Outro exame utilizado para detectar o câncer de mama é a ultrassonografia, que é indicado para pacientes com nódulos palpáveis. A ressonância magnética também é utilizada para avaliar a extensão da doença e identificar se há metástases.

Tratamento

Em caso de diagnóstico positivo, o tratamento pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou terapia hormonal. A escolha do tratamento depende do estádio da doença, da idade do paciente e de sua condição geral de saúde. A cirurgia é o tratamento de escolha para câncer de mama inicial, e pode incluir a retirada da mama afetada (mastectomia) ou apenas da parte afetada (quadrantectomia).

A radioterapia é indicada para reduzir o risco de recorrência do câncer após a cirurgia, enquanto a quimioterapia é indicada para tratar câncer avançado ou metástico. A terapia hormonal é indicada para pacientes com tumores receptor-positivos e pode incluir medicações para bloquear a produção de estrogênio ou progesterona.

É importante destacar que o câncer de mama é uma doença grave, mas que pode ser tratada com sucesso quando detectado precocemente. Por isso, é importante que as mulheres estejam atentas aos sintomas e realizem exames regularmente, além de seguir as recomendações do médico para o tratamento.

Qual é o melhor exame?

A mamografia é um exame de imagem que utiliza raio-x para examinar as mamas. É amplamente utilizado para detectar o câncer de mama em estágios iniciais, quando ainda não há sinais ou sintomas aparentes. O exame é recomendado para mulheres a partir dos 50 anos de idade, mas algumas recomendações variam dependendo do risco individual de cada mulher.

LEIA TAMBÉM:  Estresse - Quais são os sintomas - Dicas para melhorar o estresse

De acordo com as diretrizes da American College of Radiology (ACR) e a Society of Breast Imaging (SBI), as mulheres devem começar a realizar a mamografia anualmente aos 50 anos de idade e continuar fazendo-o até os 74 anos. No entanto, as mulheres com risco elevado de desenvolver câncer de mama, como aquelas com histórico familiar da doença, devem começar a realizar a mamografia antes dos 50 anos e continuar fazendo-o com mais frequência.

Além disso, é recomendado que as mulheres com mamas densas, ou seja, que tenham uma maior proporção de tecido glandular em relação ao tecido adiposo, realizem a mamografia anualmente, independentemente da idade. Isso porque o tecido glandular é mais difícil de ser visualizado na mamografia, o que pode dificultar a detecção precoce do câncer.

É importante notar que a mamografia não é uma ferramenta infalível para detectar o câncer de mama. Algumas lesões podem não ser detectadas na mamografia, especialmente em mulheres jovens, cujas mamas são mais densas e, portanto, mais difíceis de examinar. Por isso, é importante que as mulheres estejam cientes de seus riscos individuais e discutam com seus médicos sobre a necessidade de realizar outros exames, como a ultrassonografia mamária ou a ressonância magnética, além da mamografia.

Além disso, é importante que as mulheres estejam cientes de seus próprios corpos e estejam atentas a qualquer alteração, como nódulos ou inchaço, e informem ao seu médico imediatamente. A prevenção e o diagnóstico precoce são fundamentais para o tratamento do câncer de mama. Por isso é importante que as mulheres sejam informadas e tomem as medidas adequadas para garantir a sua saúde.

Assine as Dicas Exclusivas de Saúde e Bem-Estar

Sobre Dra. Diliagni Tellez Matos 82 Artigos
Especialista em Clinica Geral, com Pós-graduação em Medicina Alternativa, cursos de Acupuntura, Terapia Auricular, Fitofármacos e Tratamentos Alternativos da Medicina Quântica. Membro da Associação Brasileira de Terapeutas Holísticos.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta